Olá visitante! Faça o login ou cadastre-se  
Carrinho vazio








Possuídos: crimes hipnóticos, ficção corporativa e a invenção do cinema

Stefan Andriopoulos

236 páginas

ISBN: 9788578661069

Tradução: Vera Ribeiro

Desde o início, o cinema tem sido frequentado por corpos mesmerizados, decapitados e desmembrados. Além de seus poderes de atração, eles refletem um lado sombrio do espectador: a vulnerabilidade de ser possuído, dissociado e governado por uma irresistível força externa, carismática e espetacular.<p>
Neste livro instigante, Stefan Andriopoulos mostra como a literatura e o cinema da Alemanha do início do século XX exploraram os temas da hipnose e da ação ameaçadora das corporações emergentes que "possuíam" as identidades individuais. Ele se detém na angústia suscitada por essa possibilidade, uma preocupação difundida em filmes e textos jurídicos, médicos e literários da época. <p>
Diante desse cenário convulsivo, onde pairavam as sombras do expressionismo, Andriopoulos dirige a atenção do leitor para os "crimes hipnóticos", ou seja, os homicídios cometidos contra a vontade de seu "autor". Assim, ele nos conduz a um período histórico em que as pesquisas médicas descreviam o sujeito hipnotizado como um veículo que podia ser conduzido a cometer atos violentos. <p>
Em análises luminosas de filmes como "O gabinete do dr. Caligari" (1919) e "Dr. Mabuse, o jogador" (1922) observa-se de que modo essas obras projetavam nas telas as possibilidades da "sugestão criminal". Além disso, Andrioupoulos analisa o uso de recursos especificamente fílmicos para manipular a atenção do espectador, como o primeiro plano ou close-up, tendo em vista deflagrar o suposto transe cinematográfico. Enquanto Caligari e Mabuse envolviam as plateias em atmosferas mesmerizantes criadas a partir de suas "psicotecnologias de sugestão", os debates sobre a influência hipnótica do cinema nos espectadores ficavam cada vez mais densos no campo médico-legal. <p>
O tema da possessão também se irradiava nas páginas da ficção modernista da época. Andriopoulos enriquece suas análises fílmicas com leituras de "O processo" (1914-15) e "O castelo" (1922), romances de Franz Kafka, cujas narrativas abordam processos de despersonalização ao tratar da fusão do corpo humano com as entidades corporativas jurídicas. <p>
Trata-se de um livro fascinante, que acrescenta uma nova dimensão à maneira como compreendemos as inquietações do mundo contemporâneo, assombrado pelo assalto virtual das tecnologias audiovisuais e pelo alcance crescente das corporações midiáticas. Eles parecem absorver nossas capacidades desejantes, transformando cada indivíduo num nodo espectral da rede contínua de informações. <p>
Tadeu Capistrano
Escola de Belas Artes da UFRJ
 R$ 58,00    R$ 40,60
             Apresentação

             Sumário


Compartilhar:

TÍTULOS RELACIONADOS
Homem pós-orgânico: a alquimia dos corpos e das alm...

Paula Sibilia

R$ 58,00 R$ 40,60
Técnicas do observador: visão e modernidade no séc...

Jonathan Crary

R$ 42,00 R$ 31,50
Destino das imagens, O

Jacques Rancière

R$ 44,00 R$ 30,80
Filme: por uma teoria expandida do cinema

Philippe-Alain Michaud

R$ 58,00 R$ 34,80
Benjamin e a obra de arte: técnica, imagem, percepç...

Walter Benjamin, Detlev Schöttker, Mirian Hansen e Susan Buck-Morss

R$ 52,00 R$ 39,00
Culturas do passado-presente: modernismos, artes visu...

Andreas Huyssen

R$ 54,00 R$ 32,40




  • Editora Contraponto
  • Avenida Franklin Roosevelt, 23 sala 1405
  • Centro - Rio de Janeiro, RJ - CEP: 20021-120
  • Tel: (21) 2544-0206 / 2215-6148
  • contato@contrapontoeditora.com.br