Carregando...
Compartilhar:
Machado de Assis (1908-2008)

Julio Diniz (org.)
164 páginas
ISBN: 9788578660116

R$ 30,00  R$ 15,00

Este livro, parceria entre o Departamento de Letras da PUC-Rio e o Globo Universidade, reúne nove ensaios sobre a obra de Machado de Assis. Escritores, pesquisadores, professores e um diretor de cinema e televisão foram convidados para um encontro acadêmico no campus da PUC-Rio, em setembro deste ano, cujo resultado final chega aos leitores interessados na literatura machadiana. A diversidade temática e os distintos enfoques sobre os escritos de Machado são uma constante do livro, como não poderia deixar de ser.


    A escritora e acadêmica Nélida Pñon e a professora de história Margarida de Souza Neves abordam a relação da ficção machadiana com o Rio de Janeiro, a cidade onde o ficcionista passou toda a vida. Cleonice Berardinelli, mestra em literatura portuguesa, empreende uma cuidadosa leitura de uma parte menos prestigiada da literatura machadiana, a poesia.


    Já o professor e pesquisador Renato Cordeiro Gomes elege "Singular ocorrência" como o ponto de reflexão para discutir os elaborados processos de construção ficcional recorrentes na obra do autor, em particular nos contos. Em outra direção, os escritores e ensaístas Gustavo Bernardo e Roberto Corrêa dos Santos propõem, em espaços distintos, a análise de tópicos da literatura de Machado a partir de uma reflexão nos campos filosófico e político-cultural.


    A apropriação e recriação de Capitu e do romance "Dom Casmurro" na literatura e na televisão são profundamente discutidas pelo escritor e acadêmico Domício Proença Filho e pelo diretor de TV Luiz Fernando Carvalho em seus respectivos ensaios. Finalmente, o ficcionista e crítico Silviano Santiago realiza uma microscópica e pontual leitura do capítulo XII das "Memórias póstumas de Brás Cubas".


    Acreditamos que a publicação deste "Machado de Assis (1908-2008)", no centenário de seu desaparecimento, possa ocupar, ao lado de inúmeros outros livros e eventos, o espaço necessário e sempre insuficiente de homenagem ao mestre. Ler, discutir e tentar compreender os mistérios que cercam a sua trajetória como escritor e a grandeza de sua obra são e serão sempre um necessário desafio intelectual.


                        Júlio Diniz

        Diretor do Departamento de Letras da

        PUC-Rio

TÍtulos relacionados